Andresas

Andresas

Arquiteto
Ventura + Partners
Localização
Porto, Portugal | View Map
Ano do Projeto
2004
Categoria
Pontes
João Ferrand

Andresas

Ventura + Partners como Arquitetos

Partindo de uma necessidade de mobilidade urbana, o Viaduto das Andresas tornou-se um dos símbolos do crescimento da cidade do Porto e um marco do contínuo melhoramento das acessibilidades numa malha urbana em desenvolvimento.

photo_credit Nelson Garrido
Nelson Garrido

Intrinsecamente associado a um plano de urbanização, o projeto surge no âmbito da construção de uma nova avenida que se viria a revelar estruturante para o setor da cidade onde se insere. A avenida vem aliviar o tráfego associado à Avenida da Boavista – a maior e uma das mais importantes artérias do Porto – e prolongar as ligações entre as zonas nascente e poente da cidade. Para que a sua concretização se revelasse possível, um viaduto seria fundamental, pela necessidade de cruzar a VCI (Via de Cintura Interna), a via rápida que conecta os diferentes núcleos urbanos do Porto.

photo_credit Nelson Garrido
Nelson Garrido

Desenhado inicialmente nos anos 90, o projeto veio a concretizar-se já no novo milénio, integrado num plano criado com vista à melhoria das acessibilidades e infraestruturas rodoviárias para o Euro 2004, pela proximidade ao Estádio do Bessa.

photo_credit Nelson Garrido
Nelson Garrido

O Viaduto das Andresas foi desenhado a partir do conceito de uma estrutura metálica totalizadora, capaz de compreender num único vão a distância que medeia entre os dois lados da VCI no ponto onde se insere – 84 metros.

photo_credit Nelson Garrido
Nelson Garrido

Desta forma, tornou-se também possível diminuir os tempos de realização da obra e causar o mínimo impacto sobre o normal funcionamento da VCI: a peça de 900 toneladas de aço foi construída num terreno adjacente e apenas deslocada para os pontos de implantação em duas horas, com recurso a gruas e camiões telecomandados. Foi neste contexto que se assistiu pela primeira vez em Portugal a esta metodologia de montagem e consequente colocação sobre os encontros.A obra implicou o arranjo urbanístico de uma área envolvente imediata com alguma expressão. A implantação apenas se tornou possível através da demolição de algumas construções existentes e a alteração da estrutura e desenho do espaço público adjacente.

photo_credit Nelson Garrido
Nelson Garrido

Do ponto de vista topográfico, houve a necessidade de encontrar uma solução eficaz para a grande diferença de cotas existente – de cerca de nove metros – entre os dois lados da VCI. No sentido de respeitar o distanciamento mínimo necessário para a livre circulação rodoviária da estrada abaixo, a estrutura foi elevada em relação à própria via de passagem,  invertendo as vigas de sustentação à semelhança das soluções estruturais de muitas pontes metálicas da segunda metade do século XIX – adotando um sistema de treliças num traçado ovalizado cuja expressão se evidencia tanto em planta como em alçado.

photo_credit Nelson Garrido
Nelson Garrido

Esta solução, com os flancos a aproximam-se visualmente mas sem se tocarem, em conjunto com os elementos que a compõem, permite contrariar as forças de flexão provocadas pela passagem dos veículos, estabilizando assim o vão superior.Todas as peças estruturais utilizadas partem de elementos tubulares que se articulam através de ligações nodais, de onde partem sempre outros elementos. Enquanto as faixas de rodagem se localizam no espaço interior definido por duas vigas longitudinais, o percurso pedonal atravessa o viaduto no espaço exterior a essas vigas.

photo_credit João Ferrand
João Ferrand

A largura do conjunto não ultrapassa as dimensões que garantem o afastamento necessário entre o viaduto e os edifícios residenciais vizinhos, reforçando o enquadramento e as relações no contexto do desenho urbano.A adoção desta estrutura permitiu desenvolver de um modo mais adaptado os conceitos de integração urbana e de conexão, criando uma imagem diferenciadora e de destaque relativamente à VCI e reforçando a leitura do eixo da nova avenida. O desenho do viaduto desenvolve-se a partir do conceito de duas grandes vias compostas por elementos simples que lhe introduzem tridimensionalidade e perceção de espaço encerrado.

photo_credit Ventura + Partners
Ventura + Partners

Read story in English